Radio Streams
SA Radio
24/7 Radio Stream
VCY America
24/7 Radio Stream

CODE #

My Favorite Things
Home
NewsSITE
Events | Notices | Blogs
Newest Audio | Video | Clips
Broadcasters
Church Finder
Webcast LIVE NOW!
Sermons by Bible
Sermons by Category
Sermons by Topic
Sermons by Speaker
Sermons by Language
Sermons by Date
Staff Picks
CommentsALL -57 sec
Top Sermons
Online Bible
Hymnal
Daily Reading
Our Services
Broadcaster Dashboard
Members Only

Pastores da IBR | S√£o Paulo, Brazil
Contact Info | Edit
•  Email  |  Web
www.igrejaredencao.org.br
•  Twitter
•  Facebook
ADDRESS
Igreja Batista Redenção
Av. Gen. Ataliba Leonel, 3780
S√£o Paulo - SP
02242-002
Brasil
Podcast + Codes
•  Apple iTunes | Video
SERMONS EMBED | Info
Mobile Apps | Info
•  ROKU TV
•  Apple TV
•  Chromecast
Enjoy sermons from this broadcaster
on a variety of mobile devices.
MyChurch: igrejaredencao | Set
MyChurch Code#: 63668
Our Blog
Older
Newer
Blog
Post+
Search
  
Filter By

Salmo 101 - Os Votos e os Propósitos do Servo de Deus
SUNDAY, FEBRUARY 16, 2020
Posted by: Igreja Batista Redenção | more..
100+ views | 20+ clicks
No mundo antigo, o Egito sempre se destacou como potência política e militar. Entre seus temíveis exércitos, houve um grupo de destaque na cidade de Tebas, chamada no Antigo Testamento pelo seu nome egípcio Nô-Amom (Jr 46.25; Ez 30.14-16; Na 3.8). Esse grupo, formado por 3 mil soldados, aterrorizava qualquer inimigo que tivesse de enfrentá-lo. A razão disso é que esses soldados fizeram um juramento de amizade perpétua que previa que eles permaneceriam juntos, em uma batalha, até que a última gota de sangue fosse derramada em terra. Ninguém fugia, nem abandonava seus companheiros. Isso fazia toda diferença em tempos quando a guerra era corporal e na qual a coragem, a determinação e a fidelidade eram armas tão importantes quanto espadas e escudos. A devoção desses homens por seu país e a fidelidade que mantinham uns pelos outros lhes renderam o título de “o batalhão sagrado”.

O Salmo 101 também trata de um voto que transforma quem o faz em uma pessoa melhor e em alguém confiável e fiel. Seu título deixa clara a autoria: “Cântico de Davi” (ledawid mizmôr). O que não fica clara é a ocasião em que o salmo foi composto, apesar de ser nítido que seu compositor já vivia na função de rei – o salmista demonstra ter poder para executar juízo (vv.5,8) e ter gente a seu serviço (v.6). Outra indicação é que o local do trono parece ser Jerusalém e não Hebrom – é muito forte essa sugestão a partir da menção da “cidade do Senhor” (v.8). O início do reinado de Davi em Jerusalém (1004 a.C.) – depois de reinar sete anos em Hebrom – parece ser uma data compatível com a mensagem desse salmo, já que nele aparecem os propósitos e os votos do salmista de agir como um líder fiel a Deus na sua inteira dependência. Desse modo, o rei Davi, desejoso de servir o Senhor, faz-lhe seis votos.

O primeiro voto de Davi ao Senhor é encarecer a retidão do caráter divino (v.1). Ele inicia seu canto com uma frase que é possível traduzir interpretando os verbos no tempo futuro – seguindo a Septuaginta. Entretanto, seria injusto com o salmista imaginá-lo fazendo afirmações arrogantes sobre um futuro que ele não controla – já que não é assim que ele coloca a questão. Usando, no início do salmo, um modo verbal chamado “coortativo” – que tem a função de um imperativo da primeira pessoa –, ele demonstra seus propósitos, ou seja, aquilo que ele deseja fazer e que, diante de Deus, assume como objetivo a ser buscado: “Que eu cante a lealdade e a fidelidade! Que eu faça músicas para ti, ó Senhor!”. O que parece, a princípio, apenas um ato de louvor, assume um novo caráter quando exposto ao restante do salmo. A primeira palavra, “lealdade” ou “amor leal”, aponta para a fidelidade de Deus para o compromisso assumido com seus servos, com quem entrou em aliança, e com seu povo que escolheu e lhe designou o futuro. A segunda palavra, “juízo” ou “decisão justa”, expressa o desalinho de Deus com tudo o que é mau, além da sua iniciativa de punir o erro e promover o bem. Como era exatamente esse o modo de proceder que Davi queria, cantar tais valores do caráter divino era mantê-los diante de si para que os imitasse, além de transmitir e ensiná-los ao povo de Israel.

O segundo voto de Davi é seguir o caminho da perfeição (v.2). O rei coloca diante de Deus mais um propósito: “Que eu preste atenção ao caminho da integridade”. “Integridade” ou “inteireza” contêm a ideia de ser cheio do bem e de buscar a perfeição. É claro que Davi não se via como uma pessoa perfeita. Por esse motivo, introduz uma frase parentética na qual expressa sua dependência de Deus para tanto: “Quando tu virás a mim?”. Essa pergunta equivale a dizer “por favor, dá-me forças para isso”. Com tal dependência em mente, Davi muda o modo dos seus verbos do coortativo para o tempo futuro e, confiado no auxílio divino e sem parecer arrogante, diz: “Procederei com coração reto no interior da minha casa”. O que ele tinha em mente não era um modo público de proceder a fim de mostrar algo aos outros. A perfeição que tinha em mente começava em sua vida particular, dentro da própria casa, onde o público não o via.

Seu terceiro voto é manter a separação daquilo que é mau (vv.3,4). Os votos do rei não eram palavras vazias, mas propósitos que teriam implicações práticas (v.3): “Não porei diante dos meus olhos coisa alguma que seja perversa”. Esse é um voto de ser criterioso e de não fazer “vistas grossas” a coisas que são ruins ou cuja maldade é camuflada por desculpas ou racionalizações ilegítimas. Ele não se beneficiaria de nenhum fruto de injustiças. Também não aprovaria aqueles que agem assim, nem se associaria com eles: “Eu odeio o agir dos perversos. Isso não terá ligação comigo”. Gramaticalmente, não é fácil definir se Davi está falando da ligação com os perversos, ou com o agir dos perversos. Na prática, o efeito é o mesmo: ele não compactuaria nem participaria da maldade dos homens vis. Essa era a razão pela qual as pessoas que agissem de modo injusto e indecente se afastariam dele (v.4): “[A pessoa de] coração depravado se desviará de mim. Eu não conviverei com o mal”.

O quarto voto é atuar na supressão da injustiça (v.5). A perfeição não seria buscada apenas na vida privada de Davi, mas também naquilo que estava a seu alcance e que era da sua responsabilidade. Como rei, uma das suas obrigações era conter o mal. Por isso, ele diz: “Eu farei calar aquele que ocultamente calunia o seu próximo”. Acusações mentirosas não seriam acolhidas nem validadas no tribunal dirigido pelo rei. Antes, Davi trabalharia para calar tais difamações mostrando que ações assim não teriam lugar em Israel. Diferente das cortes reais do resto do mundo, ele também não abriria espaço para soberba e arrogância: “Eu não tolerarei olhos altivos, nem coração arrogante”. Deve-se notar que essa intenção não visa somente a controlar o modo de os homens se portarem ou de verem a si mesmos, mas as atuações decorrentes disso – a quem arrogantemente se acha melhor que os outros, concede-se o direito de subjugar e explorar os mais fracos. O voto do rei previa a supressão de todo tipo de injustiça.

O quinto voto é buscar a convivência com pessoas justas. É normal que um rei seja cercado por muita gente, mas Davi seria criterioso também em suas companhias (v.6): “[Dirigirei] os meus olhos aos fiéis da terra para que habitem comigo. Aqueles que andam no caminho da integridade estarão a meu serviço”. Motivos torpes não seriam o critério de contratação dos seus servos, nem na escolha dos seus amigos. Ele procuraria conviver com gente que fosse compatível com sua fé no Senhor e com seu desejo de buscar um caráter fiel. Pela mesma razão, as más companhias seriam repelidas (v.7): “O que pratica a trapaça não permanecerá no interior da minha casa. O que diz falsidades não permanecerá diante dos meus olhos”. A importância desse voto é que é muito fácil se deixar levar por pessoas com quem convivemos muito tempo e que nos fazem admirá-las, mesmo sem ser por causa das suas qualidades. A convivência íntima com homens injustos poderia afetar a busca da perfeição por parte do rei de Israel, além de fazê-lo condescender com o que é errado e repreensível.

O último voto do rei a Deus é perseverar no cumprimento dos seus propósitos. O versículo final renova a intenção de perseguir e suprimir a injustiça. Contudo, um novo elemento é introduzido gerando a ideia de continuidade da ação e da perseverança dos propósitos (v.8): “A cada manhã eu reprimirei todos os ímpios da terra a fim de arrancar da cidade do Senhor todos os que praticam a iniquidade”. A expressão “a cada manhã” expressa a intenção de manter uma luta constante, sem se deixar desanimar nem mesmo nos momentos mais difíceis em que haja um custo alto por ser fiel a Deus. Nem tampouco mudar de propósitos durante a vida buscando adaptação a situações mais vantajosas em que a honestidade e o bom caráter sejam empecilhos. Manhã após manhã todos esses votos deviam ser relembrados e renovados a fim de tornar Davi – e qualquer outro que queira servir ao Deus santo – um servo digno do seu Senhor.

Acredito que nós, igreja de Deus do século 21, precisamos relembrar e renovar nossos votos a Deus. Se nunca os fizemos, devemos, então, formulá-los e expô-los ao nosso Deus de modo a buscar o bem, a justiça, a perfeição e o bom testemunho do nome do nosso Senhor Jesus Cristo. Chega de compactuar com o sistema mundano! Chega de tolerar o pecado! Basta de desculpas para não nos afastarmos do estilo de vida corrompido da atualidade! Nossa fidelidade deve ser dirigida ao nosso Senhor e não aos nossos impulsos carnais. Nosso caráter deve ser moldado por aquele que tem o caráter perfeito e reto. E nossa luta deve ser a cada dia nos parecermos mais com nosso Redentor. Sigamos o exemplo do rei que, na dependência de Deus, fez votos de fidelidade e obediência. Que essa seja nossa oração em cada manhã, completada pela declaração de submissão e de clamor por auxílio: “Quando tu virás a nós?”.

Pr. Thomas Tronco

Category:  Reflex√Ķes di√°rias

post new | clone this | rss feed | blog top »
Text feature this blog entry
Our Blog
Older
Newer
Top



Adam Eshleman
God's Outstretched Hands

Final Chapters of Isaiah
Sunday - AM
Reformation Bible Church
Play! | MP4 | RSS

The Lists Kept by God
John Pittman Hey

Hourly:
Open Windows
Dr. Joel Beeke
Heritage Reformed...
Staff Picks..

Kevin Swanson
Open Churches Now!

Such Wimpy Faith
Generations Radio
Play! | MP3

Sermon: Now Therefore, Reform Your..
Rick Powell

SPONSOR | 5,200+

SPONSOR




SA UPDATES NEWSLETTER Sign up for a weekly dose of personal thoughts along with interesting content updates. Sign Up
FOLLOW US


Gospel of John
Cities | Local | Personal

MOBILE
iPhone + iPad
MyChurch App New!
Watch
Android
MyChurch App New!
Fire Tablet
Wear
Chromecast TV
Apple TV
Android TV
ROKU TV
Amazon Fire TV
Amazon Echo
Kindle Reader


HELP
Knowledgebase
Broadcasters
Listeners
Q&A
Uploading Sermons
Uploading Videos
Webcasting
2-MINUTE TIPS

NEWS
Subscribe | Unsubscribe
Staff Picks Feed
SA Newsroom New!
News
SERVICES
Dashboard | Info
Cross Publish
Audio | Video | Podcast
Sermon Player | Video
Church Finder | Info
Mobile & Apps
Live Webcasting
Solo Sites
Internationalization
Listen Line
Events | Notices New!
Transcription | PowerClips
Billboards | Biz Cards
Favorites | QR Codes
Online Donations
24x7 Radio Stream
INTEGRATION
Embed Codes
Twitter
Facebook
Logos | e-Sword | BLB
JSON API

BATCH
Upload via RSS
Upload via FTP
Upload via Dropbox

SUPPORT
Advertising | Local Ads
Support Us
Stories
ABOUT US
The largest and most trusted library of audio sermons from conservative churches and ministries worldwide.

Our Services | Articles of Faith
Broadcast With Us
Earn SA COINS! New!
Privacy Policy
Copyright © 2020 SermonAudio.