Sign in or signup
Radio Streams
SA Radio
24/7 Radio Stream
VCY America
24/7 Radio Stream

CODE #

My Favorite Things
Home
NewsSITE
Events | Local | Blogs
New Audio | Video | Clips
Broadcasters
Church Finder
Webcast LIVE NOW!
Sermons by Bible
Sermons by Category
Sermons by Topic
Sermons by Speaker
Sermons by Date
Staff Picks
CommentsALL -17 sec
Top Sermons
Daily Log
Photos
Stores
Online Bible
Hymnal
Daily Reading
Our Services
Sermon DashboardNEW
Members Only

Pastores da IBR | S√£o Paulo, Brazil
Contact Info | Edit
•  Email  |  Web
www.igrejaredencao.org.br
•  Twitter
•  Facebook
ADDRESS
Igreja Batista Redenção
Av. Gen. Ataliba Leonel, 3780
S√£o Paulo - SP
02242-002
Brasil
Podcast + Codes
•  Apple iTunes | Video
SERMONS EMBED | Info
Mobile Apps | Info
•  ROKU TV
•  Apple TV
•  Chromecast
Enjoy sermons from this broadcaster
on a variety of mobile devices.
MyChurch: igrejaredencao | Set
MyChurch Code#: 63668
Our Blog
Older
Newer
Blog
Post+
Search
  
Filter By

Ageu 1.7-11
TUESDAY, JANUARY 22, 2019
Posted by: Igreja Batista Redenção | more..
200+ views | 30+ clicks
Depois de introduzir o discurso aos judeus lhes apontando a dupla condição desfavorável, a apatia e o sofrimento, o profeta Ageu continua seu pronunciamento acrescentando novos vislumbres do quadro teológico e prático daquela situação. Com exceção da primeira palavra hebraica, ausente no v.7, o profeta repete o que disse no v.5, no sentido de o povo avaliar os acontecimentos ao seu redor (v.7): “Assim diz o Senhor dos exércitos: ‘Ponhais vossa consciência sobre os vossos caminhos’”. Com isso, ele aponta dois rumos, como se o povo estivesse diante de uma bifurcação e precisasse escolher que caminho seguir e que em que destino chegar.

Há duas possibilidades de o povo agir — obediência ou rebeldia. Esses termos previam que, caso o povo de Israel desse ouvidos ao Senhor e guardasse os estatutos da aliança, Deus os abençoaria com prosperidade e paz na terra de Canaã (Lv 26.3-13; Dt 28.1-14). Por outro lado, se fossem rebeldes e resistentes ao controle divino, seriam alvo de severa punição (Lv 26.14-39; Dt 28.15-68) envolvendo fome, seca, doenças, infertilidade e guerras, podendo chegar até ao ponto de serem exilados — o que realmente ocorreu com a geração anterior. O que vem a seguir (vv.8-11) é o desdobramento desse acordo entre Deus e a nação.

A primeira estrada que nasce da bifurcação das ações diante de Deus é a obediência (v.8): “Subi vós ao monte, trazei madeira e edificai a casa. Então, eu me deleitarei nela e me cobrirei de glória — diz o Senhor”. Isso dito após o chamado à reflexão contido no versículo anterior, quer dizer que eles não deviam considerar apenas o que estava acontecendo por causa da desobediência, mas também o que deveria ocorrer no caso de serem fiéis e dedicados. Trata-se de um olhar para o passado a fim de transformar o comportamento no futuro. Deve-se notar os três imperativos (jussivos, em hebraico) que surgem na primeira parte do versículo, decorrentes das ações de “subir”, “trazer” e “edificar”. São ações que exigem esforço, dedicação e paciência, algo que nunca seria realizado por mero impulso, mas por deliberada e consciente obediência. A ordem é subir aos montes e buscar madeira para a construção — a região montanhosa de Canaã era marcada pela presença de árvores. Não há ordens para que se busque pedras porque provavelmente as do antigo templo ainda estavam no local da destruição. Obviamente, organizar grandes comitivas para cortar madeira e fazer um difícil transporte exigiria um comprometimento incompatível com o egoísmo daqueles dias. Em outras palavras, eles teriam de abandonar suas próprias obras domésticas e se empenhar na obra do templo.

Entretanto, esse esforço teria compensações. Em primeiro lugar, o Senhor garante que se alegraria. Essa é uma menção simples, mas com sentido teológico significativo e consequências práticas incalculáveis. Nesse caso, a obediência do povo seria uma dessas alegrias e estaria de acordo com a aliança feita com o povo que deixou o Egito, garantindo também a eles as bênçãos da aliança — isso não é declarado aqui, mas é claramente implícito e posto em contraposição à punição que vinham recebendo. Contudo, se essas bênçãos são implícitas, Deus afirma explicitamente que seu deleite seria na casa em si — “eu me deleitarei nela”. Isso leva à segunda compensação do trabalho que seria a restauração da glória de Deus no meio de Israel, pelo que o Senhor diz “me cobrirei de glória”, indicando uma ação a que Deus se propôs realizar. Apesar de esse tema ser trabalhado mais à frente, o Senhor deseja que o reerguimento da sua casa atestasse às nações que ele é um Deus que não perde batalhas, nem abandona seu povo e, também, que produzisse entre os judeus temor por seu nome e esperança de uma restauração completa no futuro em lugar da esperança frustrada no presente (v.9). No presente, isso também se daria pela ação contrária ao que ocorreu antes da queda de Jerusalém e da destruição do templo em 587 a.C., quando a glória do Senhor, que havia enchido o tabernáculo no Sinai (Êx 40.34-38) e o templo de Salomão (1Rs 8.10,11), deixou o edifício e pousou sobre o Monte da Oliveiras — “o monte que está ao oriente da cidade” (Ez 11.23) —, marcando assim a rejeição e punição divina (Ez 10.18,19 cf. 11.22,23). Essa foi a necessária preparação para que Deus entregasse voluntariamente o templo a fim de ser destruído sem que houvesse razões justas para que alguém pensasse que ele podia ser vencido por homens. Porém agora, com a lição aplicada, assim que se terminasse a reconstrução, o Senhor encheria o santuário novamente com sua glória (Ag 2.6-9).

A segunda estrada nascida da mesma bifurcação é a rebeldia. Para essa opção, também há tristes consequências previstas na aliança, pelo que o Senhor lhes diz (v.9a): “Vós esperais a abundância, mas eis que obtendes pouco. O que trouxestes para casa, eu o assoprei” — síntese da ideia exposta no v.6. A primeira palavra do versículo quer dizer literalmente “virar a cabeça” ou “olhar para”. Assim, é possível que a plantação, quando vista por eles em seu processo de desenvolvimento, os tenha animado e feito esperar uma colheita farta. Contudo, a falta de chuva afetou o amadurecimento dos grãos e frutos, afetando seriamente a colheita. A segunda parte é enfática em apontar a causa do sofrimento, fazendo-o por meio de uma pergunta e resposta (v.9b): “‘Por que?’ — declara o Senhor dos exércitos. Por causa da minha casa, a qual está arruinada enquanto cada um de vós se apressa por sua própria casa”. O contexto demonstra que se trata de uma pergunta de natureza retórica que reforça a declaração de Deus a respeito do pecado do povo, de modo que o verbo “declarar”, como é dito no texto original, transmite a seriedade dessa palavras e confere temor diante da repreensão. Outra coisa a se obversar é que a ideia de “se apressar” indica tanto a prioridade que os judeus davam às suas casas como o grande esforço e dedicação que eles empreendiam nelas. Em outras palavras, Deus diz que o povo merecia o que estava passando por não honrá-lo e por priorizarem a beleza das suas casas enquanto a construção do templo estava vergonhosamente abandonada na altura dos alicerces ou, no máximo, nas primeiras fileiras de pedras acima do solo.

Desse modo, a consequência era óbvia (v.10): “Por isso, sobre vós os céus retiveram a chuva e a terra reteve a colheita”. Apesar de céus e terra surgirem aqui como agentes das ações de reter os recursos necessários, fica claro, principalmente diante do versículo seguinte, que era Deus o agente da ausência de chuvas e da pequena colheita (v.11): “Pois eu chamei a seca sobre a terra, sobre os montes, sobre o cereal, sobre o vinho, sobre o azeite, sobre o que cresce do solo, sobre os homens, sobre os animais e sobre todo o trabalho das mãos”. O acréscimo dos diversos setores prejudicados com a falta de chuva não era necessário. Dizer apenas “eu chamei a seca sobre a terra” bastava. Contudo, o Senhor quis apontar o tamanho do prejuízo e da carestia que os desobedientes vinham enfrentando, seja nas diversas produções agrícolas e pecuárias e até no próprio abastecimento de água, tão necessário aos homens. Sendo assim, não havia espaço para um “plano B”. A consequência era ampla e convincente no sentido de chamá-los à reflexão e mudança de rumo (vv.5,7). Joyce Baldwin observa a ironia nas palavras de Deus com intenção didática e punitiva ao fazer um trocadilho com a palavra “seca” (horev), no v.11, e a palavra “arruinado” (harev), nos vv.4,9. A ideia é: “Vocês deixaram meu templo ‘arruinado’ e eu deixei vocês sob uma terrível ‘seca’” — algo bem compatível com as maldições da aliança (Dt 28.23,24). Agora, pesava a decisão dos judeus sobre que caminho seguir nessa bifurcação e que consequências receber. Era, para eles, a “hora da verdade”.

Pelo menos duas lições sobre tais princípios devem surgir na mente dos crentes de hoje ao verem o modo de Deus tratar os rebeldes. Em primeiro lugar, lembrar que o Senhor bem sabe retribuir o esforço e o descaso dos servos. Isso não acontece com prejuízo da sua graça e misericórdia no relacionamento com seu povo — a igreja foi salva sem merecimento algum, gratuitamente, e a misericórdia do Senhor o impede de nos consumir tão logo o tenhamos desrespeitado e obedecido (Lm 3.22). Entretanto, foi dito à igreja de Cristo: “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará” (Gl 6.7). A segunda lição é sobre o peso da “colheita” da desobediência. Apesar de vir do Deus amoroso e misericordioso, o autor de Hebreus declara: “Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo” (Hb 10.31). Para o crente que quiser se eximir de tais palavras argumentando que elas dizem respeito apenas aos incrédulos, o texto precedente encerra a questão: “Porque bem conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu darei a recompensa, diz o Senhor. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo” (Hb 10.30). De quê alertas mais nós precisamos para repensar nossos caminhos e escolher a direção correta diante da bifurcação da obediência e da rebeldia?

Pr. Thomas Tronco

Category:  Reflex√Ķes di√°rias

post new | clone this | rss feed | blog top »
Text feature this blog entry
Our Blog
Older
Newer
Top


Office HQ, Greenville SC
SermonAudio Classics

Play! | More



Hourly:
Hope Against Abortion
Kevin Vigneault
The Bible Church
Staff Picks..

E. A. Johnston
Church Folk Boiling Mad In..

Evangelism Awakening
Special Meeting
Play! | MP3

Don Green
The Purpose of the Church

Truth Community Church
Midweek Service
Transcript!Play! | MP4

Sermon: Destructive Tongue, Cold Heart
Dr. Sacha Walicord

SPONSOR | 14,400+

SPONSOR




                   
Service is the overflow of superabounding devotion. ... Oswald Chambers


Gospel of John
Cities | Local | Personal

MOBILE
iPhone + iPad
Church App
Watch
Android
Church App
Fire Tablet
Wear
Chromecast TV
Apple TV
Android TV
ROKU TV
Amazon Fire TV
Amazon Echo
Kindle Reader


HELP
Knowledgebase
Broadcasters
Listeners
Q&A
Uploading Sermons
Uploading Videos
Webcasting
Tips & Tricks
YouTube Screencasts
2-MINUTE TIPS

FOLLOW
Weekly Newsletter
Staff Picks Feed
SA Newsroom
RSS | Twitter | Facebook
SERVICES
Dashboard | Info
Cross Publish New!
Audio | Video | Podcast
Sermon Player | Video
Church Finder | Info
Mobile & Apps
Live Webcasting
Listen Line
Events Support
Transcription | PowerClips
Billboards | Biz Cards
Solo Sites
Favorites | QR Codes
Online Donations
24x7 Radio Stream
INTEGRATION
Embed Codes
Goodies
WordPress
Twitter
Facebook
Logos | e-Sword | BLB
JSON API

BATCH
Transfer Agent
Protected Podcasts
Auto-Upload Sermons
Upload via FTP
Upload via Dropbox
Picasa
ABOUT US
The largest and most trusted library of audio sermons from conservative churches and ministries worldwide.

Our Services | Articles of Faith
Broadcast With Us
Earn SA COINS!
Advertising | Local Ads
CONTACT
info@sermonaudio.com
Privacy Policy | Support Us | Stories