Radio Streams
SA Radio
24/7 Radio Stream
VCY America
24/7 Radio Stream

CODE #

My Favorite Things
Home
NewsSITE
Events | Notices | Blogs
Newest Audio | Video | Clips
Broadcasters
Church Finder
Webcast LIVE NOW!
Sermons by Bible
Sermons by Category
Sermons by Topic
Sermons by Speaker
Sermons by Date
Staff Picks
CommentsALL -49 sec
Top Sermons
Online Bible
Hymnal
Daily Reading
Our Services
Broadcaster Dashboard
Members Only

Pastores da IBR | São Paulo, Brazil
Contact Info | Edit
•  Email  |  Web
www.igrejaredencao.org.br
•  Twitter
•  Facebook
ADDRESS
Igreja Batista Redenção
Av. Gen. Ataliba Leonel, 3780
São Paulo - SP
02242-002
Brasil
Podcast + Codes
•  Apple iTunes | Video
SERMONS EMBED | Info
Mobile Apps | Info
•  ROKU TV
•  Apple TV
•  Chromecast
Enjoy sermons from this broadcaster
on a variety of mobile devices.
MyChurch: igrejaredencao | Set
MyChurch Code#: 63668
Our Blog
Older
Newer
Blog
Post+
Search
  
Filter By

Salmo 66 - A Gratidão que não se Pode Conter
SUNDAY, MAY 5, 2019
Posted by: Igreja Batista Redenção | more..
160+ views | 20+ clicks
A Biblioteca do Congresso americano recebeu, certa vez, o pedido de um registro de direitos autorais de um livro chamado A million thanks. A publicação trazia escrita a palavra “obrigado” por nada menos que 1 milhão de vezes. A biblioteca negou o pedido, dizendo: “Não, obrigado”. Também explicou que a negativa se devia ao fato de que não se podia registrar uma palavra apenas.

O mesmo não aconteceu com o escritor do Salmo 66. O salmista passou por uma grande crise, a qual ele chama de “minha aflição” (v.14), que o levou a fazer votos (v.13) e clamar a Deus em oração (vv.19,20). Pelo modo como se expressa no salmo, é provável que tenha sido uma crise nacional, afligindo todo o povo. Entretanto, essa crise havia cessado por uma ação poderosa do Senhor. Diante disso, ele procura lançar mão de quase todos os recursos que dispõe, tanto para glorificar e anunciar a intervenção sobrenatural de Deus como para demonstrar sua efusiva gratidão (v.3), dizendo: “Quão temíveis são os teus feitos!” (mah-nôra’ ma‘aseyka). Ainda enaltece o poder de Deus que se vê (v.5) em “ações temíveis sobre os filhos do homem” (nôra’ ‘alîlâ ‘al-benê ’adam).

Há quem defenda que a composição do salmo se deu após a libertação poderosa dos israelitas diante do poderoso exército de Senaqueribe, quando 185 mil soldados assírios amanheceram mortos, forçando o inimigo a se retirar (2Rs 19.35; Is 37.36). Entretanto, qualquer poderosa libertação nacional – preferencialmente pré-exílica (devido à forma do título) – perfaz, a princípio, um pano de fundo adequado para o salmo, como a destruição, nos dias de Josafá, de três exércitos reunidos contra Judá (amonitas, moabitas e edomitas) sem que os israelitas lutassem (2Cr 20.22-24). O certo é que a libertação divina estava, de certo modo, ligada à oração do salmista. Segundo este (v.18), se seu coração abrigasse pecado, Deus não teria libertado o país – o que sugere que o salmista seja o próprio rei ou alguém de preeminência nacional. O fato é que, independente da indefinição sobre autoria e data, o contexto geral e a mensagem do salmo estão patentes.

A ocasião vislumbra uma ação divina que, a princípio, sobrecarregou os israelitas (v.10): “Tu nos provaste, ó Deus” (behantanû ’elohîm). A intenção de Deus parece ficar clara quando, em seguida, sua ação é comparada à purificação de metais preciosos pelo fogo, apontando para uma purificação de pecados em Israel: “Tu nos refinaste como o refinar da prata” (tseaftanû kitsraf-kasef). Outra tradução seria: “Tu nos purificaste assim como se purifica a prata”. O resultado final é pureza, mas não sem antes se aplicar o calor intenso. Assim foi com os israelitas. Isso foi feito por meio de um exército inimigo (v.12): “Tu fizeste homens cavalgarem sobre nossas cabeças” (hirkavta ’enosh lero’shenû).

Porém, Deus não queria vê-los destruídos, mas purificados. Assim, lhes deu a provação na medida correta, pelo modo como o salmista (v.9) o chama de, literalmente, “aquele que coloca nossa alma na vida” (hassam nafshenû bahayyiym). Como “preservador da vida” – sentido da expressão anterior –, o salmista revela a ação de Deus na afirmação da sua superioridade em relação aos inimigos (v.3): “Pela grandeza da tua força os teus inimigos falham diante de ti” (berov ‘uzzeka yekahashû leka ’oyeveyka). Na verdade, Deus é o controlador da história e das nações (v.7): “Teus olhos vigiam as nações” (‘ênayw baggôyim titspeynâ).

Diante da grande libertação, toda a nação está tremendamente feliz e o salmista se vê, não apenas devedor, mas desejoso de oferecer a Deus todo louvor com toda sua força (v.1): “Deem gritos de alegria a Deus”, diz ele, ou “levantem as vozes para louvar a Deus” (harî‘û le’lohîm). Esse convite ou essa convocação é feita, de maneira hiperbólica, a “toda Terra” (kol-ha’arets). Diante de todo o louvor que Deus merece e de toda a decisão de louvá-lo, o salmista oferece, nos vv.13-20, três atitudes presentes nas pessoas cuja gratidão a Deus não se pode conter.

A primeira atitude é a devoção cultual. Isso significa que o salmista não cultuaria o Senhor mecanicamente. Ao contrário, ele o faria com inteireza de coração em todos os enfoques do louvor devido ao Senhor. Para começar, diz ele (v.13): “Entrarei em tua casa com holocaustos. Cumprirei meus votos para contigo” (’avô’ bêteka be‘ôlôt ’ashallem leka nedaray). Com isso, o salmista afirma sua fidelidade no relacionamento com Deus, fato evidenciado no culto público e no cumprimento dos compromissos que ele assumiu com o Senhor. Ele também diz (v.15): “Oferecerei a ti holocaustos de animais gordos junto com aroma de carneiros [queimados]. Sacrificarei um novilho junto com cabritos” (‘olôt mehîm ’a‘aleh-lak ‘im-qetoret ’êlîm ’e‘eseh baqar ‘im-‘attûdîm).

A princípio, essa lista de sacrifícios parece não dizer muito. Mas, ao identificar os elementos presentes no texto, é possível notar, na primeira parte, a menção de “holocaustos” (‘olôt) – ofertas totalmente queimadas. Na segunda, a menção de um novilho oferecido com cabritos remete às “ofertas pacíficas” – ofertas que, depois de oferecidas a Deus, eram comidas pelos sacerdotes e pela família do ofertante – das tribos israelitas na consagração do tabernáculo (Nm 7.17, 23, 29, 35, 41, 47, 53, 59, 65, 71, 77, 83, 88) pela ocorrência das palavras hebraicas para “novilho” e “cabritos” associadas no mesmo texto. A união desses dois tipos de culto sacrificial em Israel nos leva ao desejo de Deus de ter celebrada a “memória do seu nome” (Ex 20.24) em meio à fidelidade cultual (Nm 29.39). Em outras ocasiões de alegria e devoção a Deus em Israel, vê-se que tais ofertas lhe foram apresentadas (Ex.: 2Sm 6.13,17-19; 1Cr 16.1-3). Assim, pela lista de sacrifícios propostos, o salmista garante que adorará o Senhor no culto público com “coração grato, alegre e dedicado”.

A segunda atitude é o testemunho público. O salmista faz um convite aberto e amplo (v.16), dizendo: “Venham e ouçam, ó todos os que temem a Deus, e eu anunciarei o que ele fez por mim” (lekû-shim‘û wa’asafferâ kol-yir’ê ’elohîm ’asher ‘asâ lenafshî). O escritor quer anunciar as grandezas de Deus vistas na suas ações. Por isso, já no começo do salmo, lembrou de feitos grandiosos de Deus a fim de comparar a atuação do passado com a que ele presenciou com seus olhos. Assim, ele diz (v.6) que Deus “converteu o mar em terra seca; eles passaram no rio a pé” (hafak yam leyavvashâ bannahar ya‘avrû beragel). Essa é uma clara menção do poder de Deus demonstrado nos feitos miraculosos de abrir o mar Vermelho para salvar os israelitas do exército egípcio (Ex 14.15-31) e de parar o curso de água do rio Jordão para Israel iniciar a conquista de Canaã (Js 3.12-17). Tendo recordado os milagres do passado, o salmista anuncia a resposta positiva do Senhor aos seus clamores (v.19): “Deus ouviu minha oração; ele escutou a voz da minha súplica” (’aken shama‘ ’elohîm hiqshîv beqôl tefillatî). Esse é um fato que não pode ser escondido diante da gratidão que o escritor do salmo sente.

Finalmente, a terceira atitude é a oração dependente. O salmista volta a falar da resposta divina aos seus clamores e louva seu nome por isso (v.20): “Deus seja bendito, pois não rejeitou minha oração” (barûk ’elohîm ’asher lo’-tefillatî). Apesar de a oração ser assunto dos versículos anteriores, o encerramento do salmo faz transparecer a razão pela qual Deus atende a súplica de homens pequenos e falhos: “Pois não rejeitou a minha oração, nem afastou de mim o seu amor” (’asher lo’-tefillatî wehasdô me’ittî). Esse “amor” (hesed) pode ser traduzido como “graça”, “bondade”, ou “misericórdia”. Mas sua ênfase é sobre a ideia de um “amor fiel” que não abandona os seus. É o amor que, movido por graça plena, busca o benefício alheio mesmo se – ou principalmente se – esse benefício não pode ser retribuído à altura. Essa é a razão da resposta positiva de Deus libertando a nação do salmista e o motivo pelo qual este depende de Deus para ouvi-lo e para abençoá-lo. Esse é um dos maiores motivos de gratidão que podem existir diante do Deus santo.

Que bom poder mostrar a Deus toda a nossa gratidão e louvor diante de todos pelo bem que ele nos tem feito! Melhor ainda é fazê-lo de todo o coração em todo o tempo e não apenas quando Deus tem de corrigir os erros, refinando-nos assim como o fogo refina a prata. Que possamos, ó povo de Deus, viver constantemente em estado de adoração e gratidão que não se pode conter.

Pr. Thomas Tronco

Category:  Reflexões diárias

post new | clone this | rss feed | blog top »
Text feature this blog entry
Our Blog
Older
Newer
Top



Reg Kelly
The Separating God

2 Corinthians 6:11-18, 2...
Sunday Service
Liberty Faith Church
Play! | MP3 | RSS


E. A. Johnston
Oh America!

Evangelism Awakening
Sunday Service
Play! | MP3

Pastor Joseph LoSardo
Christ Died

Messiah in Matthew
Bread of Life Fellowship
Play! | MP3

Kevin Swanson
Pastors Arrested in US

Is This Real Persecution?
Generations Radio
Play! | MP3

Dr David Mackereth
Broken to pieces

Open Air Gospel
Dr David C. Mackereth
Play! | MP3

Ken Wimer
The Folly of Pretense

Book of 2 Samuel
Shreveport Grace Church
Video!Play! | MP4

Sermon:
Pride Comes Before. . .
Kevin Swanson

SPONSOR | 2,100+

SPONSOR




                   
The angels are ministering spirits; they are not governing spirits. ... John Brown


Gospel of John
Cities | Local | Personal

MOBILE
iPhone + iPad
MyChurch App New!
Watch
Android
MyChurch App New!
Fire Tablet
Wear
Chromecast TV
Apple TV
Android TV
ROKU TV
Amazon Fire TV
Amazon Echo
Kindle Reader


HELP
Knowledgebase
Broadcasters
Listeners
Q&A
Uploading Sermons
Uploading Videos
Webcasting
Tips & Tricks
YouTube Screencasts
2-MINUTE TIPS

FOLLOW
Weekly Newsletter
Staff Picks Feed
SA Newsroom New!
RSS | Twitter | Facebook
SERVICES
Dashboard | Info
Cross Publish
Audio | Video | Podcast
Sermon Player | Video
Church Finder | Info
Mobile & Apps
Live Webcasting
Solo Sites
Internationalization New!
Listen Line
Events Support
Transcription | PowerClips
Billboards | Biz Cards
Favorites | QR Codes
Online Donations
24x7 Radio Stream
INTEGRATION
Embed Codes
Goodies
WordPress
Twitter
Facebook
Logos | e-Sword | BLB
JSON API

BATCH
Transfer Agent
Protected Podcasts
Auto-Upload Sermons
Upload via FTP
Upload via Dropbox
Picasa
ABOUT US
The largest and most trusted library of audio sermons from conservative churches and ministries worldwide.

Our Services | Articles of Faith
Broadcast With Us
Earn SA COINS!
Advertising | Local Ads
Privacy Policy | Support Us | Stories